Porque é inviável e desajustada a aplicação da contribuição extraordinária nos dispositivos médicos?

A propósito da contribuição extraordinária de 1,5% a 4% a aplicar aos dispositivos médicos em 2020 e que está incluída na proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Governo, a APORMED comunicou publicamente que a implementação desta medida porá em causa a prestação dos cuidados de saúde aos utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e pode levar ao encerramento de algumas empresas do setor.

Também mencionamos que, se esta contribuição avançar, levará à descontinuação de um grande número de produtos, à diminuição da qualidade e da quantidade de serviços e de suporte técnico prestados, bem como à disrupção de fornecimento de dispositivos médicos ao SNS com impacto preocupante e negativo para os doentes, para os profissionais de saúde e consequentemente na saúde pública.

A APORMED é contra esta contribuição extraordinária a incidir nos dispositivos médicos porque estamos convictos que trará consequências ao nível dos cuidados de saúde para os utentes do SNS e porque a considerarmos extremamente nefasta para as empresas deste setor que operam no mercado português.

A APORMED e as empresas suas associadas declinam perante a população qualquer responsabilidade por falhas que possam ocorrer no SNS resultantes do impacto desta contribuição extraordinária.

Clique aqui para conhecer os argumentos da APORMED.

Informações

Assessoria de Imprensa

Para efeitos de assessoria de imprensa, por favor contactar LPM Comunicação:

Ana Santos: (+351) 927 413 078
Hermínio Santos: (+351) 925 606 430